Na definição da estratégia de implantação de um loteamento, no que diz respeito às obras, é importante pensar qual o caminho certo e como percorrê-lo. Saber os pontos cruciais do gerenciamento é a principal garantia para qualidade, prazo e custo.

 

Os 2 últimos projetos lançados pela Scopel, Jardim dos Buritis, em Itaquaquecetuba e o Reserva Ibirapitanga 3ª fase, em Santa Isabel, tiveram suas obras concluídas em menos de 1 ano, fruto do resultado desse processo.

 

Nesse sentido, a empresa há várias décadas se dedica a aperfeiçoar seu modelo de Gestão e resume em quatro passos sua execução:

 

1. Gestão de custos

Para que haja economia sem perda de qualidade, a atuação da engenharia é crucial por criar a possibilidade de atuação no momento da contratação. Vale lembrar que a loteadora permanece com a responsabilidade sobre os prazos, qualidade, controle, logística, entre outros, mesmo com a terceirização dos serviços.

 

2. Estratégia produtiva

Quem cuida do gerenciamento de obras também ajuda para que a execução de atividades atendam todos os requisitos. Qualidade é sempre o objetivo final. Gerenciar obras passa pelos campos arquitetônico, de estruturas, de instalações e coordena cada uma dessas partes para que elas sejam cumpridas seguindo uma sequência lógica.

 

3. Antecipação de problemas

Para cuidar de toda a organização do cronograma de uma obra, o bom gerenciamento é fundamental. Com ele, é possível prever problemas e possíveis imprevistos e assim resolvê-los de forma eficaz. O gerenciamento permite que a maioria desses possíveis problemas possam ser resolvidos ainda antes do início da construção. Deste modo, é possível aumentar a produtividade, fazendo com que o cronograma possa ser realizado dentro do previsto ou até antecipado.

 

4. Execução fiel dos projetos

O gerenciamento de obras auxilia a contratar mão de obra especializada e coordenar os contratados nas diferentes etapas da obra. Além disso, apoia no cumprimento das etapas dentro do cronograma. Tudo isso se traduz na execução fiel dos projetos. Claro que imprevistos e algumas alterações são normalmente enfrentadas. Quando isso acontece, a experiência fala mais alto, sendo necessário o registro dessas alterações para a posterior elaboração dos “as built”.